rede via dupla

A Platô – Plataforma de Internacionalização do teatro – realiza em BH o intercâmbio Rede Via Dupla, de 4 a 9 de agosto, envolvendo grupos do Brasil, Argentina e Uruguai. Conheça a programação:

04 agosto | terça-feira

20h – Amores Sordos – Espanca! (Brasil)

Local: Teatro Espanca

05 de agosto | quarta-feira

14h30 – Debate: Rotas de Circulação
Convidados: Ivan Solarich (programador uruguaio),
David Fernández (Argentina),
Cássio Pinheiro (Diretor de Artes Cênicas e Música da FMC) Mediador: Marcelo Bones (programador e consultor de festivais)

Local: Teatro João Ceschiatti

20h Afuera! – Los Tocomochos (Argentina)
Local: Teatro João Ceschiatti

06 de agosto | quinta-feira

15h – Pantoclown – El Trasto (Argentina)
Local: Teatro João Ceschiatti

17h – Debate: Caminhos de Dramaturgia
Convidados: Cristian Palácios (ator e dramaturgo argentino – integrante CETA)
Sara Rojo (dramaturga, Prof. Letras UFMG e diretora chilena)
Vinícius Souza (Janela de Dramaturgia – BH)
Local: Teatro João Ceschiatti

20h – Olympia – Grupo Teatro Andante (Brasil)
Local: Teatro Espanca

07 de agosto | sexta-feira

20h Aqueles Dois – Cia. Luna Lunera (Brasil)
Local: Teatro João Ceschiatti

22h – Os Ancestrais – Grupo Teatro Invertido (Brasil)
Local: Esquyna Espaço Coletivo Teatral

08 de agosto | sábado

19h – Damiens – Compañia Nacional de Fósforos (Argentina)
Local: Teatro João Ceschiatti

21h – El Vuelo – de Ivan Solarich (Uruguai)
Local: Esquyna Espaço Coletivo Teatral

09 de agosto | domingo

19h – Alonso y Aguirre Perdidos en el inframundo!
Local: Teatro João Ceschiatti

*Os ingressos serão vendidos na bilheteria dos locais.
** Os debates tem entrada gratuita (sujeitos a lotação do local).
***TODOS os espetáculos serão realizados em espanhol.

11693932_960285834022878_3307133094245721226_n

Constato outra voz. Outro dia falei ao telefone com alguém que comentou isso. Sinto como um à vontade nas intensidades da garganta sem aquecimento mesmo.

*

Muito aperto de garganta pelos anos. Ainda em muitos de nós. O que muda com práticas de mantras que se soltam pelo ar, mas nada se compara a um bom trabalho no campo artístico, onde o significado não precisa ser dado à partida.

*

Enrolei por muito tempo a busca da voz que sempre aparece. Atraiu-me a proposta desse trabalho em um núcleo de criação para explorar a presença na rua. Na rua Aarão Reis, com a qual costurei uma nova relação. Há um caminho vindo do bairro Floresta que sai do metrô, imenso universo em dois quarteirões que vão em direção ao teatro Espanca!. Chás, balas, bolos, pães de queijo, verduras, artesãos, brechós, bêbados, jeovás, skatistas, mijos, tristezas, elegantes pixos nas paredes, cartazes, danças, pessoas de todos os cantos encontramos todos ao mesmo tempo ali.

*

A população de rua, os bafos de pinga, o visível descaso com o transporte público são esse lugar onde cultivamos presença. Sonhamos um sonho que nos sonhe. Vejo na cultura que está sendo feita no Baixo Centro de Belo Horizonte uma inspiração futurante que cria espaço físico para as pessoas e com as pessoas no momento em que estão vivas. Nada abstrato como “projetos”.

*

Documentação da conclusão da oficina: Primeira performance:

11692727_960285994022862_4467938940863050714_n

Entramos no metrô pela catraca, subimos na plataforma, enquanto isso o Rodrigo sobe no escadão que dá para a rua Sapucaí. A 300m, somos o coro dele, que canta um lindo lamento para Exú. Ô luá, ô luá, ele é dono da rua. Algumas pessoas sentem-se compelidas a bradar em nome de Jesus enquanto cantamos. Outras dizem que há quem não respeite a cultura brasileira. O metrô chega na sincronia com o fim da ação. Axé e boa viagem!

*

Documentação da conclusão da oficina: Segunda performance:

11138569_960286080689520_7255193361675506796_n

Ana rege um coro do texto “O corredor do esquecimento”, adaptado do “Atlas secreto de flores”, de Alejandro Dolina, encontrado na revista Gratuita Vol. 2. Somos comportados seres de orquestra no subsolo da praça da Estação, com a sua azulejaria antiga de flores lilases e os grafites e stickers. A voz coletiva ecoa fortemente no corredor. Feedbacks de todo tipo, silenciosos corpos que passam pertinho, um senhor que soltou um berro do tamanho da nossa fila encostada na parede, e duas pessoas que pararam para escutar o texto todo e aplaudir.

*

Documentação da conclusão da oficina: Terceira performance:

11692716_960286264022835_8945647440977592070_n

Ramina canta Summertime caindo. Os meninos do grupo são uma célula em constante movimento em volta dela, alguns amortecendo a queda de Ramina, outros mais na membrana respirando e mexendo com quem passa pelos corredores do metrô. A Paula fica um pouco mais atrás, destinatária do canto que se passa entre uma mulher dentro e outra fora. Aparece uma senhora que se identifica totalmente com a voz meio bêbada da Ramina. I love you, ela grita muitas vezes e muito perto.

*

Documentação da conclusão da oficina: Quarta performance:

11050650_960286410689487_6439290731187026938_n

Cantamos “Mamon”, música do Tom Zé feita a partir de discurso do Papa Francisco. Dinheiro quer como está. Fazemos várias vezes em todo o quarteirão onde está a parada de ônibus Move. A parada é uma plataforma de madeira barata, com catracas, e já está assim há muito. Fazemos de frente para as pessoas que esperam ônibus na plataforma revestida de tela, estilo gaiola. Resistência física de cantar e correr e agachar e levantar. Carregamos dinheiro nas mãos e gritamos para o bezerro de ouro do outro lado do rio. Atravessamos a rua e subimos na plataforma. Abre-se um corredor humano para passarmos cantando. Depois, alguns carros finalmente fazem o que têm que fazer, que é parar antes da faixa de pedestre.

*

Documentação da conclusão da oficina: Quinta performance:

11707513_960286660689462_2388733982089163516_n

Partitura “Skablum” no ponto de ônibus em frente ao teatro Espanca!. Empenho no cantar-falar sem assustar as pessoas esperantes. Estamos não-competitivos com o que o mundo é. Luiz depois conta que a pessoa ao lado se virava para confirmar se estava escutando o que estava escutando de fato, vindo da boca dele. Togonogo-á. No final canto trecho do Japji, “Ant Na Siphati”.

*

11666319_960286717356123_7946097277541499270_n

Pessoas do Núcleo de Criação. Propositores: Ana Hadad — Gustavo Bones Performantes: Alexandre Ferreira — Bernardo RB — Felipe Soares — Giuli Lacorte — Luiz Fabio Torres — Paula Libéria — Ramina Mundrond Tupi — Ricardo Aguilar — Rodrigo Borges — e Zoé Aubry, que esteve conosco até sua viagem à França

*

TEXTO: Bernardo RB, junho de 2015

FOTOS: Mirela Persichini [álbum completo aqui]

Captura de Tela 2015-07-02 às 18.11.54

espanca.com/real

← antigos