378188_10200237252069050_750207293_n

:: A CONSTRUÇÃO DO GIGANTE

Alexandre
Ana Claudia Souza Fonseca Ferreira
Arthur Dos Santos Barbosa
Camila Cardozo Melchior
Cícero Miranda
Clarice Rena
Cristiane Andrade
Denner Moisés
Elton Minteiri
Filipe Rodrigues Mafra
Graciela Bohorquez Grondona
Laryssa Rayane Martins Maciel
Lis Haddad
Lodein Beltran
Miguel Pedro Marques De Oliveira
Priscylla Lobato Campos Lopes
Rocío

13112946_10209464354829530_1368754324125742489_o

:: CRIATURA

Aline Da Cunha Miranda
Amanda Gomes
Ana Paula Alab De Oliveira
Anderson Feliciano Da Silva
Bárbara Souza Da Silva
Bremmer Guimaraens
Brunno Oliveira
Daniela Maia
Douglas Henrique De Oliveira
Fábio Daniel Guimarães
Fernando Costa
Lis Haddad
Lorena Braga Alves
Marcos Mateus Da Silva
Michelle Sabrina Da Silva
Pedro Henrique Pedrosa Silva
Sammer Iêgo Lemos
Shima
Soraya Martins Patrocinio

centro (1)

:: ENCONTROS PROVISÓRIOS: CONVÍVIOS INSTÁVEIS, VIBRANTES E DE ALTO RISCO

Bremmer Guimaraens
Caroline Barbosa Manso
Clarice Rena
Érica Hoffmann
Fábio Daniel Guimarães
Felipe Soares
Flávia Mafra
Gabriel Da Luz
João Victor De Campos
Kaká Pimentta
Letícia Crespo Grandinetti
Luiza Palhares De Melo
Márcio Jorge Alves Cardoso De Melo
Marco Túlio Pessoa
Noemi Assumpção Sousa Bonomo
Paola Christine Dos Santos Abreu
Pedro Henrique Pedrosa Silva
Priscila Patta
Priscylla Lobato Campos Lopes
Raiane Oliveira
Ramon Brant
Rodrigo Vieira Ávila De Agrela
Shima

Passaarão_BDMG

Os NÚCLEOS DE CRIAÇÃO são processos criativos abertos a artistas e estudantes de arte interessados em investigações propostas por integrantes do Espanca!. Cada Núcleo investiga questões relacionadas à arte contemporânea a partir de um tema proposto por um membro do grupo e encerra-se com a criação de um “objeto cênico”. Mais do que oficinas de longa duração, são uma forma de efetivar o intercâmbio do Espanca! com artistas de diversos territórios e linguagens, residentes em Belo Horizonte.

Os NÚCLEOS DE CRIAÇÃO: ESTUDOS PARA PASSAARÃO, investigarão a Rua Aarão Reis (hipercentro de BH) sob perspectivas históricas, dramatúrgicas, performáticas e teatrais. Estes estudos coletivos devem finalizar com uma mostra de experimentações, intervenções e performances que discuta, celebre, problematize e politize as relações sociais na Rua Aarão Reis tendo a própria cidade como dramaturgia. Nessa edição convidamos o grupo Pigmalião Escultura que Mexe para ministrar um dos núcleos como forma de iniciar o processo de nossa criação compartilhada, que acontecerá em 2017.

Há 6 anos, o TEATRO ESPANCA está localizado na RUA AARÃO REIS. A manutenção da sede da companhia é uma vivência cotidiana e íntima com um espaço extremamente plural, palco de convívios, conflitos, disputas, festas, manifestações, transitoriedades, diferenças e desigualdades que, ao evidenciar tamanha complexidade nas relações entre indivíduos e edifícios, pode ser encarado como uma micro-cidade. Esta rua possui história, memória e simbologia. Ela é, atualmente, o local da cultura genuína de Belo Horizonte, é o local onde a cidade nasceu e ainda leva o nome de quem a projetou. Pode ser vista como o avesso do projeto original da nova capital: caótica, descontrolada, multifacetada e, por isso mesmo, viva e pulsante. 


Encontros provisórios: convívios instáveis, vibrantes e de alto risco

[com Marcelo Castro e Ana Luísa Santos]

Este Núcleo de Criação pretende abordar questões relativas à arte da performance. Como estratégia artística realizaremos uma espécie de arqueologia dos usos e inscrições na rua Aarão Reis, uma das primeiras vias de Belo Horizonte. O trabalho partirá de práticas de experimentação performativa no espaço urbano através dos seguintes princípios:

disponibilidade/abertura/porosidade
mapeamento/escutacontaminação/contágio
invenção/interferência
registro/reverberação
compartilhamento

O desejo é exercitar o engajamento estético-político através de imersões na rua.

Local: Rua Aarão Reis e imediações – Centro
Duração: 36 horas
:: 29 de agosto a 5 de outubro ::
Segundas e quartas | 10h às 13h
Inscrições até dia 22 de agosto através deste formulário
foto: Marcelo Castro


Criatura

[com Alexandre de Sena, Aline Vila Real e o artista convidado Pablo Bernardo]

13112946_10209464354829530_1368754324125742489_o

Pretende reconhecer territórios e refletir sobre elementos identitários que podem fazer da rua Aarão Reis um lugar de encontro de pessoas, com suas referências históricas e culturais. Investigar as potências desta zona da cidade para refletirmos população/povo/cidadãos/comunidade.

Local: teatro espanca! – Rua Aarão Reis, 542, Centro
Duração: 36 horas
:: 29 de agosto a 5 outubro ::
Segundas e quartas | de 14h30 às 17h30
Inscrições até dia 22 de agosto através deste formulário
foto: Pablo Bernardo


A construção do Gigante 

[com o grupo Pigmalião Escultura que Mexe]

378188_10200237252069050_750207293_n

Uma marionete gigante não passa desapercebida. No palco ou na rua, a simples presença de uma marionete construída com grandes proporções seduz o olhar do público de forma poderosa. Uma escultura gigantesca que se mexe é capaz não só de chamar a atenção, mas também hipnotizar quem a vê. Sabendo disso a partir de sua própria prática o Pigmalião Escultura que Mexe propõe a construção de um gigante que dará visibilidade a um personagem considerado invisível perante a sociedade: o morador de rua.

Em uma oficina de construção, os participantes construirão coletivamente um boneco de fios de 5 metros de altura, utilizando técnicas sofisticas de articulações, escultura e acabamento, possibilitando a compreensão de todas as etapas de construção de uma marionete.

Pigmalião Escultura Que Mexe é um coletivo de artistas que encontrou no teatro de bonecos o veículo ideal para desenvolver trabalhos no limite entre as Artes Cênicas e as Artes Plásticas. Criado em 2007, o grupo sempre procurou desenvolver espetáculos com profundidade conceitual e filosófica. A marionete de fios, a relação do ator com o boneco e o Teatro Visual são seus principais focos. Na construção contínua de sua identidade, o Pigmalião busca o reconhecimento do teatro de bonecos na produção artística contemporânea.

Público: Artistas visuais, artesãos, escultores, bonequeiros, atores, performers, etc.

Local: Espaço Pigmalião Escultura Que Mexe – Rua Pouso Alegre, 155, Floresta
Duração: 40 horas
:: 29 de agosto a 9 de setembro ::
De segunda a sexta | de 9h às 13h
Inscrições até dia 22 de agosto através deste formulário


…em novembro…

História e Diversidade da Rua

[com Gustavo Bones]

Pretende fazer estudos teóricos e práticos sobre a história e a diversidade (cultural, social e antropológica) da Aarão Reis. Os participantes realizarão entrevistas com habitantes, trabalhadores e frequentadores da rua, registradas em vídeos, fotos e relatos. Utilizando princípios teatrais, performáticos e intervenções urbanas, o Núcleo deve fazer um
“levantamento de personagens” que habitam ou habitaram este território.

ESP-DL-FLN-anuncio-2_45jj
← antigos